Somma Blog

Empreendedorismo, Provocações, Informações e Conhecimento

Na luta entre o bem e o mal você não pode ficar em cima do muro

Postado por Flávio Lettieri em Comprometimento, Pró-atividade, Resultados | setembro 22, 2015 | 3 comentários

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading ... Loading ...

É preciso assumir a sua posição!

Existe o bem e o mal? Seria o mal apenas a ausência do bem ou do conhecimento? Questões que acompanham o homem ao longo do tempo e presentes nos mitos, nas artes e nas reflexões filosóficas.

Como em uma arena de batalha ou em um campo de futebol, nessa eterna luta entre o bem e o mal parece existirem três posicionamentos possíveis: aqueles que lutam pelo mal, aqueles que lutam pelo bem e aqueles que ficam na torcida.

Lutando pelo mal, existe uma minoria.

Na verdade, são poucos. São mesmo uma minoria, mas são capazes de fazer um estrago enorme. Movem-se por vaidade, orgulho, egoísmo e outros sentimentos menos nobres e enxergam as outras pessoas apenas como um recurso ou uma ameaça. Apesar de poucos, são assustadores e estão nos mais diversos lugares.

São os políticos inescrupulosos, alheios aos princípios éticos e comprometidos apenas com seus interesses pessoais. São os empresários gananciosos que, em nome da ambição, exploram o ambiente e as pessoas sem a devida contrapartida e sem qualquer responsabilidade com os recursos naturais ou humanos.

São os colegas de trabalho fofoqueiros, aqueles que gostam de puxar o saco do chefe para tirar proveito ou ainda aqueles que não pensam duas vezes quando podem puxar o nosso tapete para subir mais rápido e que até pisam na cabeça de quem está embaixo para dar mais impulso.

São também aqueles médicos incapazes de enxergar o paciente em toda a sua dimensão humana, os professores que não cumprem a missão de ensinar e educar, os religiosos que, ao invés de cuidar de nossas almas, querem sacrificar o nosso bolso ou tantos outros que deliberadamente ou por omissão prejudicam seus pares.

Do outro lado, combatendo a mentira, a injustiça e a ignorância, estão os soldados do bem: Políticos, empresários, médicos, educadores, religiosos, etc.

Também não são muito numerosos e poderiam ser divididos em dois grupos. Um menor, que compreende os heróis famosos e reconhecidos como Gandhi, Madre Tereza, Martin Luther King, Mandela ou Betinho. Pessoas que fizeram grandes sacrifícios em nome de um bem maior e coletivo.  E o outro, o grupo maior, que compreende os heróis anônimos. Aqueles que fazem pequenos ou grandes sacrifícios, para ajudar um grupo maior ou menor de pessoas em uma ação mais ampla ou mais pontual. Pessoas que lutam sistematicamente pelo bem coletivo.

Pessoas que conjugam, através de suas ações, verbos como ajudar, cooperar, confiar, oportunizar, ensinar e tantos outros que remetem ao espírito da solidariedade e da responsabilidade com o mundo e com o ser humano.

E, temos o terceiro grupo, o das pessoas que ficam na torcida. Esse é, sem sombra de dúvidas, o mais numeroso.

Os participantes desse grupo, em quase sua totalidade, torcem para a vitória do bem. Ficam indignados com as ações do mal e se sentem amargurados e sensibilizados quando veem as injustiças. Sentem suas almas dilaceradas quando assistem, quase sempre pela TV ou internet, aos casos de barbárie, aos atos de corrupção e às ações de destruição do planeta.

Assim como os apaixonados pelo futebol torcem pela vitória de seu time, eles torcem com todas as suas forças e com todo o seu entusiasmo para que o bem triunfe sobre o mal.

E, assim, permanecem. Torcendo e esperando. Na maioria das vezes, acreditando que não tem nada que possam fazer para ajudar sem perceber que, ao longo da história da humanidade, em todos os momentos em que o bem prevaleceu, o que fez a real diferença foi a transformação dos torcedores em combatentes.

As mudanças ocorrem quando os torcedores resolvem deixar esse papel passivo e se unem às forças do bem.

A grande beleza de tudo isso é que, na vida real, diferente do campo de futebol, os espectadores podem assumir o papel de protagonistas a qualquer momento. Podem fazer a escolha de fazer a diferença para o seu time.

Quando queremos contribuir com o bem, basta começarmos a agir.

Podemos escolher entre ser um herói famoso ou anônimo. Entre fazer grandes ou pequenas ações. Entre ajudar o mundo, um país, uma comunidade ou uma pessoa. Não importa.

O importante é criar essa cadeia de movimento. É mover essa energia.

Qualquer pequena ação é muito maior do que a omissão.

Dar um basta em uma fofoca no ambiente de trabalho, ajudar alguém a se perceber com mais dignidade ou levar um prato de comida para quem tem fome pode não parecer tão impactante quanto criar um movimento global para salvar o planeta, mas, com certeza, pode fazer uma grande diferença na vida de alguém.

Para mudar o mundo, é preciso pensar de forma global, agindo localmente.

E diante de todo o bem e o mal do mundo, a primeira coisa a ser feita é responder à pergunta básica: de que lado você quer ficar?

Clique aqui e deixe o seu comentário.

Flávio Lettieri é consultor empresarial e Sócio Diretor da Somma Consultoria. É especialista em coaching, empreendedorismo e desenvolvimento de atividades vivenciais. Visite nosso site www.sommaonline.com.br 

 

Bookmark and Share

Tags: > > > > > > > > > >

Comentários

3 Responses to “Na luta entre o bem e o mal você não pode ficar em cima do muro”

  1. Thatiana Tondato
    outubro 2nd, 2015 @ 9:27

    Obrigada Flávio

  2. Amauri Junqueira
    outubro 2nd, 2015 @ 9:28

    obrigado Flavio….muito bom.

  3. Ricardo Jordão
    outubro 2nd, 2015 @ 11:57

    Eu acho o seguinte… tanto o bem com o mal querem a mesma coisa. O bem e o mal são invenções do ser humano. Qual é a maldade que existe no universo quando o meteoro colide com um planeta???? Eu sou um cara TARADO por STAR WARS, adoro também GAME OF THRONES. Eu gosto dessas histórias por vários motivos, mas, uma delas é que em STAR WARS e GAME OF THRONES, quem resolve a parada é o cara do mal que vira para o bem porque o bem é incapaz de resolver o problema. Pode reparar. Nas melhores histórias o bem é salvo pelo mal. Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve, Alice no Pais das Maravilhas etc etc etc. Não tem essa de mal e bem. Estamos todos sujeitos a fazer o bem e o mal o tempo todo. VAMOS AI!!

Deixe o seu comentário